Homer's Phobia

"Homer's Phobia"
"Homer Contra a Homossexualidade" (PT)
"Humofobia" (BR)
168.º episódio da .ª temporada de Os Simpsons
Homer conhece John.
Informação geral
Escrito por Ron Hauge
Produzido por Bill Oakley
Josh Weinstein
Transmissão original {{{data original}}}
Convidados

John Waters como John

Cronologia
"Homer na TV"

"Homer's Phobia" (em inglês: A fobia de Homer) é o décimo quinto episódio da oitava temporada do seriado de animação The Simpsons. Foi exibido originalmente em 16 de fevereiro de 1997 na Fox nos Estados Unidos.[1] No episódio, o patriarca Homer se distancia de John, o novo amigo da família, após descobrir que ele é gay. Ele teme que John seja uma influência negativa para Bart e decide assegurar a heterossexualidade do filho levando-o para caçar veados.

Dirigido por Mike B. Anderson, este foi o primeiro episódio do seriado escrito por Ron Hauge. George Meyer, que trabalhou como roteirista e produtor da série de 1989 a 2004, deu a idéia inicial para um episódio com o tema "Bart, o gay", enquanto que os então produtores executivos Bill Oakley e Josh Weinstein estavam planejando um episódio no qual Lisa "descobriria os prazeres da cultura camp". Oakley e Weinstein combinaram as duas idéias, que originaram "Homer's Phobia". Inicialmente, devido ao tema controverso, a Fox censurou o episódio, mas esta decisão foi revertida após uma troca na diretoria da emissora. O cineasta John Waters fez uma participação especial no episódio, dublando o personagem inédito John.

"Homer's Phobia" foi o primeiro episódio do seriado dedicado inteiramente ao tema da homossexualidade, com o título original sendo um trocadilho do nome de Homer com a palavra homofobia. Na versão brasileira, o trocadilho foi feito entre as palavras humor e homofobia. Já em Portugal, o episódio recebeu o título de "Homer Contra a Homossexualidade".[2] Aclamado pela crítica tanto por seu humor quanto por sua mensagem anti-homofobia, o episódio recebeu quatro prêmios, incluindo o Emmy de Melhor Programa de Animação de Menos de Uma Hora e o GLAAD Media Award de Melhor Programa de Televisão - Episódio Individual.

Sinopse

Predefinição:Revelações sobre o enredo Precisando de dinheiro para pagar a conta do conserto da tubulação de gás de casa, a família Simpson visita a Cockamamie's, uma inconvencional loja de itens de colecionadores, na esperança de conseguir vender uma herança da família, um boneco da Guerra Civil Americana que era da avó de Marge.[3] Homer conhece John, o vendedor de antiguidades, que lhe explica que muito da mercadoria da loja está ali por causa de seu valor camp.[3] Bart e Lisa ficam impressionados com John, e Homer o convida para visitar a casa dos Simpsons, com o intuito de conhecer as coisas camp que a família possui.[3] Na manhã seguinte à visita de John, Homer diz a Marge que gostou de John e sugere que convidem ele e "sua esposa" para um passeio de casais.[3] Marge sugere repetidamente para Homer que John é gay, e quando Homer finalmente entende o que ela está dizendo, fica horrorizado.[3] O comportamento de Homer para com John muda completamente; Homer se volta contra ele, recusando participar de seu passeio com a família Simpson por Springfield.[4] O resto da família, entretanto, se diverte bastante com a companhia de John, em especial Bart, que começa a vestir camisas havaianas e a dançar usando uma peruca feminina.[3] Isto deixa Homer bastante inquieto, e ele começa a temer que Bart também seja gay.

Homer se esforça para tornar Bart mais masculino, forçando-o a olhar para um outdoor de cigarro com mulheres seminuas por duas horas, na esperança de que Bart se sinta atraído por garotas, mas Bart fica apenas com o desejo de fumar "qualquer coisa fina".[3] Homer então o leva para ver os trabalhadores musculosos de uma usina siderúrgica em ação, apenas para descobrir que a fábrica em questão funciona de noite como A Bigorna, uma boate gay.[3] Desesperado, Homer insiste em levar Bart para caçar veados com Moe e Barney.[4] Depois que eles não conseguem achar nenhum veado, eles decidem ir até a Vila do Papai Noel e atirar nas renas no curral.[3] Este plano, entretanto, vai por água abaixo quando as renas começam a atacá-los.[3] John, com a ajuda de Lisa e Marge, usa um robô japonês do Papai Noel para assustar as renas e salvar os pretensos caçadores. Homer passa a aceitar John e diz a Bart, que ainda não sabe das preocupações do pai, que vai aceitá-lo independentemente da maneira como ele decida viver sua vida. Depois de Lisa explicar para Bart que Homer acha que ele é gay, Bart fica estupefato.[3] O episódio acaba com todos voltando para Springfield no carro de John.[3]

Um pouco antes dos créditos finais, aparece uma dedicação aos siderúrgicos da América, que são incentivados a "Continuarem alcançando aquele arco-íris!".[3]

Produção

O cineasta John Waters aceitou instantaneamente participar do episódio.

O conceito original do episódio veio de algumas idéias para o seriado escritas num caderno de George Meyer. Uma delas dizia "Bart, o gay", e Ron Hauge foi escolhido para desenvolvê-la.[5] A idéia de convidar John Waters para uma participação especial já estava sendo considerada por algum tempo. Os produtores executivos Bill Oakley e Josh Weinstein haviam planejado utilizá-lo num episódio chamado "Lisa and Camp", onde Lisa "descobriria os prazeres da cultura camp".[6] A idéia deles foi combinada à de Meyer, dando origem a este episódio. O episódio foi originalmente intitulado como "Bart Goes to Camp" (em português: Bart Vai ao Camp), mas foi renomeado porque o título estava muito indireto.[5] Mike B. Anderson, que foi escolhido para dirigir o episódio, disse ao The Gold Coast Bulletin que ficou "encantado" quando leu o roteiro, "não só por causa das possibilidades visuais, mas também porque a história me pareceu muito sólida. Foi surpreendente e cativante e eu realmente coloquei meu coração naquele episódio".[7]

John Waters aceitou o convite para fazer uma participação especial na série instantaneamente, dizendo que se foi bom o suficiente para Elizabeth Taylor, que participou dos episódios da quarta temporada "Lisa's First Word" e "Krusty Gets Kancelled", era bom o suficiente para ele. Ele, entretanto, brincou que teria reagido negativamente contra o seriado caso seu personagem tivesse se parecido com Richard Simmons.[8] Como agradecimento por sua participação, a equipe do seriado enviou a Waters um celulóide do episódio, que ele pendurou em seu escritório.[9] Antes do episódio ser dublado, a equipe perguntou a Waters se ele achava que a comunidade gay iria achar o episódio ofensivo. Ele se opôs apenas à utilização da palavra fag (em português: viado) por Homer para insultar John. Os escritores então trocaram-na por queer, considerada menos ofensiva.[10]

De acordo com Oakley, o departamento de censura interna da Fox se opôs à exibição de "Homer's Phobia". O procedimento normal é que o roteiro de um episódio seja enviado aos censores e depois enviado de volta aos produtores, via fax, com a lista de frases e palavras que devem ser substituídas. No entanto, o roteiro deste episódio foi enviado de volta aos produtores com duas páginas em anexo com objeções a quase todas suas frases. Os censores declararam que não gostaram do uso da palavra "gay" e nem da discusão da homossexualidade como um todo, concluindo que "o tema e o conteúdo deste episódio são inaceitáveis para transmissão". Normalmente, as observações dos censores são ignoradas, uma vez que as frases ofensivas e outros problemas são resolvidos na pós-produção, quando o episódio já tenha sido animado. Neste caso, o episódio inteiro foi considerado um problema e, por isso, não teria como os produtores resolverem suas inadequações durante a pós-produção. O problema dos produtores com o departamento de censura interna da emissora, entretanto, se dissolveu assim que o episódio voltou da animação na Coréia do Sul, uma vez que o então presidente da Fox tinha acabado de ser demitido e substituído, assim como os censores. Os novos censores enviaram o roteiro de volta aos produtores com apenas uma frase em anexo: "aceitável para transmissão".[6]

A cena da "usina siderúrgica gay" foi escrita por Steve Tompkins. A idéia original dele era que Homer e Bart encontrassem estivadores gays, mas era muito trabalhoso animar o embarque de navios, então uma usina siderúrgica foi usada ao invés disso.[11] Tompkins também escreveu um terceiro bloco diferente para o episódio, que acabou sendo substituído na versão final do episódio. Nele, ao invés de Homer, Bart, Barney e Moe irem caçar veados e terminarem na Aldeia do Papai Noel, eles iriam voltar à usina siderúrgica. Lá, Homer iria tentar provar sua heterossexualidade numa competição de puxar tratores com o corpo contra os trabalhadores da usina. Foi decidido que este final "não ajudava realmente a história".[12]

Referências culturais

O episódio faz várias referências à cultura popular. A canção "Gonna Make You Sweat (Everybody Dance Now)" do C+C Music Factory pode ser ouvida duas vezes durante o episódio: primeiro quando a usina siderúrgica se transforma numa discoteca e depois nos créditos finais.[13] A coleção de discos de Homer inclui os artistas New Christy Minstrels e The Wedding of Lynda Bird Johnson, além dos álbuns Loony Luau e Ballads of the Green Berets do sargento transformado em cantor Barry Sadler.[13][1] A canção que Homer dança com John é "I Love the Nightlife" de Alicia Bridges, e a canção que Bart dança usando peruca é a versão de Cher de "The Shoop Shoop Song (It's in His Kiss)", originalmente interpretada por Betty Everett.[13] Na primeira cena de John há um flamingo rosa de plástico no fundo, uma referência a Pink Flamingos, filme de John Waters.[1]

Recepção

Audiência e prêmios

Mike B. Anderson recebeu dois prêmios pela direção do episódio.

Em sua exibição original nos Estados Unidos, "Homer's Phobia" foi o 47o programa mais assistido da semana de 10 a 16 de fevereiro de 1997, atingindo 8,7 pontos no Nielsen. Foi o quarto programa mais assistido da emissora Fox naquela semana.[14] O episódio venceu o Emmy de Melhor Programa de Animação de Menos de Uma Hora em 1997.[15] Mike Anderson venceu o Annie Award de Melhor Direção em uma Produção Televisiva[16] e o WAC Award de Melhor Diretor de uma Série do Horário Nobre no World Animation Celebration de 1998.[17][7] A Gay and Lesbian Alliance Against Defamation disse que o episódio era "um exemplo brilhante de como trazer representações inteligentes, honestas e engraçadas da nossa comunidade para a televisão";[18] e o premiou com o GLAAD Media Award de Melhor Programa de Televisão - Episódio Individual.[19] Quando o episódio foi ao ar, o time de produção da série recebeu "muito poucas" reclamações sobre seu conteúdo, com a maioria das reações sendo positivas.[12] Vários celulóides do episódio foram selecionados para exposição na Silver K Gallery em Melbourne, na Austrália em 2001.[7]

Recepção crítica e análise

"Homer's Phobia" é parte significativa da exploração de temas LGBTs por The Simpsons.[20] O seriado havia feito várias referências à homossexualidade mesmo antes do episódio ir ao ar.[21] No episódio da segunda temporada "Simpson e Dalila", o personagem de Karl (voz de Harvey Fierstein), um secretário gay, beija Homer,[22] enquanto que o personagem recorrente de Waylon Smithers é freqüentemente mostrado como apaixonado por seu chefe, Montgomery Burns, inicialmente sugestivamente e depois mais explicitamente.[23][24][25] Entretanto, "Homer's Phobia" foi o primeiro episódio a girar inteiramente em torno de temas homossexuais. Outros dois episódios posteriores, "Three Gays of the Condo" e "There's Something About Marrying", também exploraram questões LGBT.[26]

De acordo com Warren Martyn e Adrian Wood, autores do livro I Can't Believe It's a Bigger and Better Updated Unofficial Simpsons Guide, "apenas The Simpsons poderia fazer isto tão de brincadeira que ninguém poderia entrar em um estado de confusão sobre isso. Muito bem mesmo".[1] John Alberti louvou a crítica do episódio ao "equívoco mais comum sobre a homossexualidade: ou seja, que homossexualidade é algo contagioso".[19] Em sua avaliação sobre o DVD da oitava temporada do seriado, Todd Gilchrist disse que "Homer's Phobia" certamente se "classifica como um dos melhores episódios de todos os tempos".[27] Catharine Lumby da Universidade de Sydney citou o episódio como exemplo de sátira positiva, uma vez que "conseguiu explorar um monte de questões [homossexuais] de maneira bastante profunda [...] sem ser evidentemente político" o que, de acordo com ela, junto com o humor do episódio fez a sua mensagem anti-homofobia mais bem sucedida do que outros programas de temática gay como Queer as Folk.[28]

"Homer's Phobia" foi considerado o quinto melhor episódio de The Simpsons pela Entertainment Weekly.[29] Em 2003, o USA Today publicou a lista dos dez melhores episódios da série conforme escolha do fã-site The Simpsons Archive; "Homer's Phobia" foi eleito o décimo melhor.[30] O episódio também foi eleito o décimo melhor da série de acordo com a lista do AskMen.com.[31] O IGN escolheu John Waters como o nono melhor convidado especial da série,[32] enquanto que o TV Guide nomeou sua participação como a terceira melhor de uma estrela de cinema.[33] Num artigo de 2008, a Entertainment Weekly escolheu Waters como uma das dezesseis melhores participações especiais de The Simpsons.[34] John Patterson do The Guardian escreveu que a participação de Waters "pareceu para mim como uma reunião de cúpula entre as figuras mais influentes da cultura popular dos últimos 25 anos".[35]

Entretanto, "Homer's Phobia" não recebeu apenas críticas positivas. Em 2002, Steve Williams e Ian Jones, escritores da revista britânica Off the Telly, escolheram o episódio como um dos cinco piores de toda a série, declarando que ele "deixa um gosto muito nojento na boca", e que Homer é "simplesmente um canalha" ao longo do episódio. A dupla concluiu que "este é um lado do seriado que não vimos antes, nem particularmente queríamos ver".[36] Em junho de 2003, o advogado russo Igor Smykov abriu um processo contra a REN TV, emissora de televisão de seu país, sob acusações de que The Simpsons, assim como Family Guy, era "moralmente degenerado e promovia as drogas, a violência e a homossexualidade".[37] Como indício em sua defesa, Smykov exibiu "Homer's Phobia" ao juiz para provar que The Simpsons promove a homossexualidade. O caso, entretanto, foi anulado após o primeiro dia de julgamento.[38]

Referências

  1. a b c d Richmond, Ray; Antonia Coffman (1997). The Simpsons: A Complete Guide to our Favorite Family. Harper Collins Publishers. p. 228. ISBN 0-00-638898-1.
  2. Sobre o episódio no Simpsons Wikia. Acessado em 21 de janeiro de 2009.
  3. a b c d e f g h i j k l m «4F11 - Homer Phobia» (html) (em inglês). Snpp.com. Consultado em 5 de setembro de 2010 
  4. a b «The Simpsons: Homer's Phobia Episode Summary on TV.com» (html) (em inglês). TV.com. Consultado em 5 de setembro de 2010 
  5. a b Hauge, Ron (2006). The Simpsons: A Oitava Temporada Completa. Comentário para o episódio "Homer's Phobia". 20th Century Fox.
  6. a b Oakley, Bill (2006). The Simpsons: A Oitava Temporada Completa. Comentário em DVD para o episódio "Homer's Phobia". 20th Century Fox.
  7. a b c "Origins of Homer phobia". 24 de maio de 2001. The Gold Coast Bulletin: p. T30.
  8. Waters, John (2006). The Simpsons: A Oitava Temporada Completa. Comentário para o episódio "Homer's Phobia". 20th Century Fox.
  9. "The Prince of Puke talks porn, pubes and periods". Planet Sick Boy. A página original foi retirada do ar em 20 de setembro de 2009, mas a entrevista foi reproduzida nos seguintes links: [1] e [2]. Acessado em 22 de janeiro de 2010.
  10. "Ask Bill & Josh". NoHomers.net. 2 de novembro de 2005. Acessado em 22 de janeiro de 2010.
  11. Tompkins, Stephen (2006). The Simpsons: A Oitava Temporada Completa. Comentário para o episódio "Homer's Phobia". 20th Century Fox.
  12. a b Oakley, Bill; Weinstein, Josh; Tompkins, Steve (2006). The Simpsons: A Oitava Temporada Completa. Comentário para o episódio "Homer's Phobia". 20th Century Fox.
  13. a b c Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome BBC
  14. Bauder, David. "NBC's sky falls on rest of TV's broadcast networks". 21 de fevereiro de 1997. The Florida Times-Union. p. D-2.
  15. "Primetime Emmy Awards Advanced Search". Emmys.org. Acessado em 21 de janeiro de 2010.
  16. "Legacy: 25th Annual Annie Award Nominees and Winners (1997)". AnnieAwards.com. Acessado em 21 de janeiro de 2010
  17. Kenyon, Heather. "The World Animation Celebration: Pasadena's Festival". Animation World Magazine. Acessado em 21 de janeiro de 2010.
  18. "Homer's Phobia?". Gay & Lesbian Alliance Against Defamation. 21 de fevereiro de 1997. A página original foi retirada do ar em 27 de abril de 2009, mas a resenha foi reproduzida no item 3 do seguinte link: [3]. Acessado em 21 de janeiro de 2010.
  19. a b Alberti, John (2003). Leaving Springfield: The Simpsons and the Possibility of Oppositional Culture. Wayne State University Press. p. 241. ISBN 0-8143-2849-0.
  20. Gumbel, Andrew. "Will an outing in Springfield end America's Homer-erotic obsession with 'The Simpsons'?". The Independent. 31 de julho de 2004.
  21. Mudhar, Raju. "Springfield's coming-out party; Cartoon to reveal gay character. And it might not be Smithers". Toronto Star. 28 de julho de 2004. pg. A.03.
  22. Citações de "Simpson and Delilah" (1990) no Internet Movie Database.
  23. Carroll, Larry (26 de julho de 2007). «'Simpsons' Trivia, From Swearing Lisa To 'Burns-Sexual' Smithers». MTV. Consultado em 24 de outubro de 2007 
  24. Oakley, Bill; Weinstein, Josh; Lynch, Jeffrey (17 de fevereiro de 2094). «Lisa vs. Malibu Stacy». The Simpsons. Temporada 05. Episódio 14. Fox  Verifique data em: |data= (ajuda)
  25. Cohen, David S.; Affleck, Neil (23 de novembro de 2097). «Lisa the Skeptic». The Simpsons. Temporada 09. Episódio 08. Fox  Verifique data em: |data= (ajuda)
  26. "Springfield awaits its first outing". Calgary Herald. 29 de julho de 2004. pg. E.2.
  27. Gilchrist, Todd (2006-08-14). "The Simpsons - The Complete Eighth Season". Acessado em 21 de janeiro de 2010.
  28. Michael Lallo (2007-07-25). "Mmmmmmmm … clever". The Age: p. Culture 9.
  29. "The Family Dynamic". Entertainment Weekly. 29 de janeiro de 2003. Acessado em 21 de janeiro de 2010.
  30. Paakkinen, Jouni (2003-02-06). "10 fan favorites". USA Today. Acessado em 21 de janeiro de 2010.
  31. Weir, Rich. "Top 10: Simpsons Episodes". Askmen.com. Acessado em 21 de janeiro de 2010.
  32. Goldman, Eric; Iverson, Dan; Zoromski, Brian. "Top 25 Simpsons Guest Appearances". IGN. Acessado em 21 de janeiro de 2010.
  33. Jones, Arnold Wayne (2007-05-18). "The Simpsons Turns 400: We Name the Greatest Guests!". TV Guide. Acessado em 21 de janeiro de 2010.
  34. Wook, Kim (2008-05-11). "Springfield of Dreams: 16 great 'Simpsons' guest stars". Entertainment Weekly. Acessado em 21 de janeiro de 2010.
  35. John Patterson (2005-04-30). "Shock value". The Guardian.
  36. Williams, Steve; Jones, Ian. "Five Of The Best ... And Five Of The Worst". Off the Telly. Acessado em 21 de janeiro de 2010.
  37. "Advogado resolveu processar o desenho animado 'Simpsons'". ClicRN. 27 de novembro de 2005.
  38. "Court Rules for Simpsons Cartoon". The St. Petersburg Times. 5 de abril de 2005. Acessado em 21 de janeiro de 2010.

Ligações externas